Casa de Santar / Paço dos Cunhas - A beleza das vinhas e vinhos portugueses


Chegamos ao Dão! Adoro os vinhos daqui, pra mim, um dos melhores portugueses. Estão lembrados da Ana Paula Teixeira que nos recepcionou na Quinta do Encontro, na Bairrada? Ela novamente aparece em Santar com aquele abraço e uma recepção pra lá de calorosa! Como eu disse anteriormente, a Global Wines é uma empresa composta por várias vinícolas e que abrange regiões dos Vinhos Verdes, Douro, Alentejo, Lisboa, Bairrada, Dão e Vale do São Francisco (Brasil).

Mas antes de contar como foi essa visitação especial, algumas informações sobre esta região: foi a primeira Região Demarcada de vinhos não licorosos no país, em 1908, está localizada na província de Beira Alta, centro de Portugal e é conhecida como a Borgonha Portuguesa. 

"As vinhas situam-se entre os 400 e os 700 metros de altitude, em planaltos de solos xistosos e graníticos de pouca profundidade, onde abundam os pinhais, produzindo vinhos encorpados com elevada capacidade de envelhecimento em garrafa. O clima de influência continental do Dão apresenta extremos, com Invernos frios e chuvosos e Verões quentes e secos. Inicialmente, a vinha foi desenvolvida pelo clero, especialmente pelos monges de Cister. Com a entrada de Portugal na CE, em 1986, as vinhas passaram por um processo de reestruturação, com novas técnicas vinícolas e escolha de castas apropriadas." *¹

As castas tintas dessa região são: Alfrocheiro, Alvarelhão, Aragonez (Tinta-Roriz), Bastardo, Jaen, Rufete, Tinto-Cão, Touriga Nacional e Trincadeira. E as brancas são: Barcelo, Bical, Cerceal-Branco, Encruzado, Malvasia-Fina, Rabo-de-Ovelha, Terantez, Uva-Cão e Verdelho.


A recepção da Ana Paula novamente nos deixou muito confortáveis como se estivéssemos em casa. Primeiro de tudo chegamos ao espaço Paço dos Cunhas, onde fica o escritório da vinícola, o restaurante, um jardim maravilhoso. "Conhecido como “a pérola do enoturismo do Dão”, o Paço dos Cunhas, em Santar (a 16 km de Viseu), cuja construção remonta a 1609, é um espaço inigualável, uma das mais prestigiadas unidades de enoturismo em Portugal. Especial e nobre, com um espólio valiosíssimo de peças de arte antigas e uma arquitetura secular, está rodeado por jardins palacianos e inclui uma das vinhas mais emblemáticas da região, a Vinha do Contador. Casa de aromas e sabores típicos do Dão, o Paço dos Cunhas oferece uma cozinha de autor admirável, parte de uma experiência vínica única. Aqui, a reinterpretação da cozinha tradicional portuguesa tem a assinatura do Chef Henrique Sampaio Ferreira, que converte os produtos autóctones em ofertas de nouvelle cuisine. Dotado de diferentes zonas, espaços e ambientes, salas temáticas, pátio com esplanada, loja de vinhos, winebar e parque infantil, este é um espaço de enoturismo onde a tradição e a história estão presentes em cada canto." *²


A Casa de Santar fica afastada do Paço dos Cunhas e a caminhada até lá é rápida. O passeio pela aldeia, as ruas estreitas, as casas em pedra, as flores colorindo o caminho e a paisagem, é muito pitoresco e charmoso. Antes de chegarmos na adega, em frente ao Paço, existe a Casa do Miradouro Santar, hospedaria, que conta toda a história tradicional da região e da família que ali ainda reside. É um local que produz compotas exóticas, de frutas cultivadas no próprio terreno, e ainda oferece uma gastronomia com receitas tradicionais de família para resgatar a cultura, memória e identidade locais. A proprietária, Alexandrina Matos, com o intuito de divulgar a experiência do turismo rural, abre as portas para workshops culinários como o pão, azeite, doces conventuais, conservas e compotas, e a cultura frutícola e hortícola. Para os viajantes é um prato cheio e os pormenores encantam. Ali também se produz o vinho do porto. Incrível como as pessoas em pleno século XXI buscam transmitir suas raízes através das tradições gastronômicas, objetos antigos e histórias de vida (e de seus ancestrais) e como cada vez mais turistas buscam por essas culturas regionais.



"Santar é uma pequena vila situada no coração do Dão. Com cerca de mil habitantes, é dona de um importante patrimônio material e imaterial: a paisagem vinhateira de grande relevância histórica, cultural e econômica; um conjunto de solares e casas brasonadas relativamente bem conservadas, jardins históricos e patrimônio religioso classificado. 
Chegando ao centro da vila, torna-se evidente que estamos numa terra beirã: as casas de pedra – quentes no inverno e frescas no verão - não enganam. Vila desde 1928, Santar pertence ao Conselho de Nelas, e à sub-região estatística portuguesa de Dão-Lafões, onde a história e a tradição na produção de vinho são uma bandeira. Toda a vila está rodeada por vinhas (...). 
A zona histórica de Santar tem, ainda, vários vestígios arqueológicos da ocupação romana e as casas com brasão, distribuídas pela vila, vão desenhando o mapa de quem tinha, em tempos idos, o poder agrícola em Santar. Devido à história, à tradição vínica, às casas típicas da região e ao cuidado extremo com as ruas e jardins da vila, Santar é considerada a Princesa das Beiras."*³

Bem, depois de uma curiosa caminhada por ruas estreitas e de paralelepípedo (as vezes de terra), chegamos à Adegas de Casa de Santar. Como era de se esperar, o lugar é lindo, muito verde e fizemos um tour por tudo. Tem até uma cave com vinhos antigos. 
"A cave antiga foi deixada pela família dos Condes de Santar quando a nossa empresa adquiriu as cotas da sociedade. Ali repousam vinhos desde 1955, verdadeiras relíquias genuínas do que foi a região do Dão, das vinhas da família. Mais do que garrafas de vinho, são a alma, o sorriso, as lágrimas de muitas pessoas que trabalharam as vinhas. Sim, porque o vinho é alegria e os vinhos do Dão são para chegar ao coração!" - Ana Paula Teixeira.


Sobre a adega, a "Casa de Santar foi fundada em 1790 e é, hoje, uma das marcas mais emblemáticas do Dão, fruto da sua história e dimensão e do prestígio e elegância dos vinhos aqui produzidos. Touriga Nacional, Tinta Roriz, Alfrocheiro, Jaen (nas uvas tintas) e Encruzado, Malvasia Fina, Cerceal Branco e Bical (nas uvas brancas), são as castas que podemos encontrar naquela que é a maior vinha do Dão: mais de 100 Ha - 90 de castas tintas e o restante de uvas brancas. A maior fração de Santar é a Vinha dos Amores, uma privilegiada encosta, no que diz respeito ao solo e à exposição solar, onde se localizam as melhores uvas de Encruzado e de Touriga Nacional. É desta imensidão de vinha que saem alguns dos mais elegantes vinhos de Portugal, que, com a sua unicidade, têm conseguido conquistar as mais altas pontuações e premios junto dos críticos nacionais e internacionais."*³



Depois do tour pela adega, voltamos para o Paço dos Cunhas e fomos recepcionados com umas entradinhas típicas portuguesas, uns salgados fritos para harmonizar com o espumante que nos foi servido. Depois fomos direcionados para a sala de almoço e novamente a equipe foi nota 1000.




Vamos revelar o feiticeiro rapidamente? A minha primeira visita à Santar foi com essa turma super animada de Sorocaba (que refere-se à primeira foto gastronômica). A segunda vez levei o marido e a amiga que estava de férias em Portugal (que refere-se à segunda foto). Como eu escrevi acima, a equipe é nota 1000. Para cada prato servido, a explicação gastronômica e vínica, um responsável pela comida e o outro pelo vinho. Super atendimento, os pormenores que fazem a diferença (a menina que chega com a cesta de pães variados quando ela percebeu que o seu pratinho está vazio e assim você escolhe qual o tipo de pão quer apreciar), o azeite em potinho delicado (produção própria), a mesa super bem posta com arranjos florais, tudo muito clean e som ambiente (tipo lounge).

Imagem 1: a entrada foi uma sopa de tomates com gema de ovo ao centro e um raminho de tomilho. Primeiro prato principal foi risoto de aspargos com pescada portuguesa. Tanto entrada quanto o peixe, foram servidos com vinho branco. Segundo prato foi lombinho de vitela com molho de cogumelos e purê de batata, servido com vinho tinto. A sobremesa tinha bolinhas cítricas que explodiam na boca com um creme de ovos e sorvete de creme, servido com um Moscatel, produzido por eles no Douro, delicioso. Tudo perfeito! Aliás, esse Moscatel ainda não encontrei em Vila Real para comprar.

Imagem 2: a entrada (que não aparece) foi um creme de legumes servido com vinho branco. O prato principal foi bochecha de porco com batatas, que estava derretendo na boca, super macio, e servido com o tinto. A sobremesa foi uma tarte de amêndoas com o Moscatel. Tudo delicioso e impecável.

No espaço Paço dos Cunhas sempre tem eventos acontecendo, almoços, jantares, festas regionais, workshops. É só ficar ligado nas news que eles postam na página do face. Se quiser fazer o enoturismo ou ir apenas almoçar ou jantar, convém ligar com antecedência (+351 232 945 452) ou mandar e-mail (enoturismo@pacodoscunhas.pt). Horário de funcionamento é de terça a quinta das 10:00 às 18:00h, sexta e sábado das 10:00 às 22:00h e domingo, das 10:00 às 16:00h. Está situado ao Largo do Paço, em Santar, Viseu.

 

Espero que vocês possam conhecer o Dão e depois voltem aqui pra me contar tudo.
🍴 Bom apetite e saúde! 🍷🍷

*¹ fonte: Global Wine site
*² fonte: Vinha do Contador site
*³ fonte: Casa de Santar site
Outras fontes: Instituto da Vinha e do Vinho, Comissão Vitivinícola Regional do Dão.

Comentários

As mais lidas: